Tudo sobre financiamento imobiliário

Financiamento imobiliário: guia completo

Quem nunca sonhou com a casa própria, que atire o primeiro boleto do aluguel. Esse é um objetivo que está no imaginário da maioria dos brasileiros e, para conquistá-lo, muitos recorrem ao parcelamento do valor da propriedade. É preciso, no entanto, entender do assunto, saber o que considerar na hora de comprar o primeiro apartamento em Curitiba e compreender as particularidades do financiamento imobiliário.

É preciso saber como economizar para a compra, como planejar a aquisição e até entender sobre os tipos de financiamento, já que cada um deles tem suas particularidades e podem ser mais ou menos indicados para algumas pessoas. O ideal é se informar a respeito da dinâmica das parcelas e dos critérios para concessão do crédito, que pode ser pago em longos prazos. Assim fica mais fácil você realizar seu planejamento financeiro e garantir que os pagamentos fiquem sempre em dia.

Quer comprar um apartamento em Curitiba e precisa conhecer tudo sobre o assunto? Continue a leitura e veja como garantir uma aquisição sem arrependimentos. Confira!

Como economizar para comprar um apartamento: dicas incríveis

Guardar dinheiro pode ser uma tarefa simples para alguns ou muito difícil para outros. Por isso, uma das maiores dúvidas de quem pretende ter um imóvel próprio é como economizar para comprar um apartamento.

Se economizar dinheiro não é sua melhor habilidade e você se identificou com o caso acima, este post é para você! Trouxemos hoje dicas incríveis que vão fazer você entender como guardar dinheiro pode ser mais fácil do que você imagina. Acompanhe.

Vale a pena economizar para um imóvel?

Todos sabemos que atualmente no Brasil existem diferentes formas de comprar ou adquirir algo, além do tradicional pagamento à vista. Quando falamos de imóveis, por exemplo, encontramos diferentes tipos de financiamento imobiliário, consórcios, entre outros métodos de parcelamento que são ideais para quem ainda não possui o valor total do bem.

A escolha da forma de pagamento pode variar de pessoa para pessoa, já que tudo depende da quantia que você possui ou da sua preferência. Mas será que compensa guardar dinheiro para este fim? Vale a pena esperar juntar uma certa quantia para comprar um imóvel?

Quando falamos em economizar ou como guardar dinheiro para um apartamento, não nos referimos apenas ao ato de juntar todo o valor para compra do imóvel. É possível (e recomendado) economizar uma boa quantia pensando na entrada que você gostaria de dar como pagamento do imóvel ou mesmo para decorar ou comprar itens essenciais para morar com conforto.

Afinal, não importa se você pretende guardar dinheiro para comprar apartamento em Curitiba à vista. Para dar uma boa entrada ou mesmo para arcar com gastos como reformas ou mobília, o importante é saber como economizar para comprar um apartamento de maneira eficaz.

É possível economizar para comprar imóvel?

A resposta é a melhor possível: sim! A aquisição de um imóvel é um investimento alto e, por isso, é preciso ter um bom planejamento. Se você adotar algumas técnicas, no entanto, pode ser que conquiste esse sonho antes mesmo que você estava planejando. A dica principal é ter foco e determinação e nunca se esquecer de que os sacrifícios farão sentido mais adiante. 

Não sabe como fazer isso de maneira objetiva e eficaz? Confira agora 4 dicas incríveis que vão te ajudar a entender como guardar dinheiro para o seu novo imóvel.

Estipule um valor mensal

Boa parte das pessoas que pretendem economizar dinheiro acabam definindo o quanto pretendem gastar. O problema é que nem sempre elas conseguem atingir o valor correto.  Isso acontece porque, além do valor total, é preciso estipular uma quantia mensal a ser economizada.

De nada adianta você querer ter R$ 1 mil de forma rápida se você só consegue poupar R$ 20 por mês. Algumas pessoas, por conta de dívidas ou de maus hábitos, às vezes deixam passar tempos sem guardar sequer um centavo. Um dos principais fatores para conseguir economizar dinheiro, portanto, é a disciplina, por isso é importante que você saiba exatamente de quanto precisa, em quanto tempo e quanto economizará todos os meses, sem falta.

Veja um exemplo: você quer juntar R$ 30 mil para oferecer como entrada em um novo imóvel daqui a cinco anos. Para alcançar esse objetivo você precisa economizar R$ 500 do seu salário durante 60 meses, sem pular ou guardar menos que isso.

Não espere sobrar para guardar

Agora você deve estar se perguntando como vai conseguir economizar o mesmo valor todos os meses. É muito simples: basta não esperar que sobre dinheiro no fim do mês para guardar. Assim que receber seu pagamento, já separe o valor estipulado. Assim você não corre o risco de guardar menos dinheiro (ou não guardar nada) no final do mês.

Tenha uma reserva de emergência

Imagine uma situação em que você possui uma boa quantia guardada para investir no seu primeiro apartamento. De repente, acontece um imprevisto e você precisa gastar esse valor. Isso atrasaria e muito o processo de como economizar para comprar um apartamento, não é mesmo? 

Você sabia que é possível evitar essa situação? Basta ter uma reserva de emergência. Ela é equivalente a seis meses do seu custo de vida (no mínimo). Uma ótima opção é fazer essa reserva antes de começar a guardar dinheiro para o seu imóvel. Assim, se acontecer algum imprevisto não será preciso mexer em outros planos, como guardar dinheiro para o primeiro apartamento.

Invista seu dinheiro

Outra opção para conseguir alcançar os seus objetivos o quanto antes é fazer com que o seu dinheiro se multiplique. Você pode investir o valor que está guardando para um imóvel em algum tipo de aplicação, como a poupança, o tesouro direto ou outros tipos de aplicações com renda fixa. 

Você também pode depositar a quantia em uma aplicação que não permita que você retire o valor antes do prazo final. Dessa forma, você evita cair na tentação de gastar este dinheiro com outras coisas. Vale lembrar, também, que é importante sempre pesquisar e estar atento ao mercado para não perder dinheiro. 

Agora que você já sabe como economizar para comprar um apartamento em Curitiba, prepare-se para começar a investir nos seus sonhos.

Como comprar o primeiro apartamento

Saber como comprar o primeiro apartamento é sempre um desafio. Investir em um imóvel é o sonho de muitas pessoas que moram de aluguel ou pretendem ter algo próprio. Para isso é preciso se planejar da maneira correta, evitando gastos maiores ou problemas para garantir a realização de uma conquista tão importante.

Mas afinal, como planejar a compra de um imóvel de maneira simples e eficaz? Hoje estamos aqui para te ajudar a solucionar essa questão e a fazer com que a aquisição de uma propriedade seja tranquila e sem incômodos. Ficou curioso? Então continue a leitura e descubra como isso é possível.

Como planejar a compra do primeiro apartamento?

Muitas vezes precisamos organizar nossas ideias e começar a planejar para poder  alcançar um objetivo específico. Com a compra do primeiro imóvel isso não é diferente. O primeiro passo a ser tomado, portanto, é colocar tudo no papel e entender o que é importante analisar nessa situação.

Pode parecer confuso, mas é só um trabalho de etapas que pode ser seguido de forma tranquila. Assim você consegue garantir que tudo sairá conforme planejado. Veja, abaixo, tudo o que você deve fazer para evitar incômodos.

Liste suas prioridades

Escolher o seu primeiro imóvel não é uma tarefa fácil. É preciso ter consciência de que este tipo de aquisição exige cuidado, atenção e pesquisa, muita pesquisa. Por isso, a compra de um apartamento deve ser planejada da maneira correta. 

O primeiro passo é entender a sua situação, suas necessidades e prioridades. Você vai morar sozinho ou com mais pessoas? Quantos quartos serão necessários? Ter uma cozinha grande é importante para você? Não abre mão de um imóvel com piscina?

Para organizar todas as informações, pegue uma folha de papel e divida-a em três colunas. Na primeira coluna liste tudo o que é essencial ou que não pode faltar no seu primeiro apartamento ou casa. Na coluna do meio você pode colocar detalhes que gostaria que tivessem no seu apartamento, mas que não são essenciais. 

Por fim, coloque as coisas mais incríveis que você gostaria em um apartamento e, que se conseguir, serão bônus. Nisso você pode incluir piscina, área gourmet ou outros espaços típicos de um condomínio clube, por exemplo. 

Colocando todos estes detalhes na ponta do lápis você conseguirá filtrar melhor os imóveis que são do seu interesse, evitando distrações com aqueles que não se encaixam no seu objetivo. Se por acaso não encontrar um local com tudo o que tem na sua lista e que se encaixe no seu orçamento, comece retirando alguns itens da última coluna. 

O ideal, aqui, é que você altere o menos possível as primeiras colunas, já que elas compõem seus sonhos e as necessidades de quem vai morar no futuro imóvel. 

Detalhe os gastos

Sem sombra de dúvidas, um dos pontos que passa mais despercebido durante a compra do primeiro imóvel são os gastos que ele pode proporcionar. Antes de ir em busca de um novo lar, é fundamental listar todos os gastos que você terá, seja antes ou durante a morada, e verificar se eles cabem no seu bolso.

Liste tudo o que poderá aumentar seus gastos. Veja se precisará de móveis ou se você já tem tudo o que é preciso para viver, como eletrodomésticos e até talheres. Não se esqueça também de toda a documentação necessária na hora de efetuar a compra do primeiro imóvel. Confirme o quanto será preciso para ter esses itens e se isso tudo se encaixa no seu orçamento.

Organize as finanças

Com todos os possíveis gastos listados, é hora de se planejar financeiramente e evitar passar apertos. Se você pretende pagar todos estes gastos à vista, é necessário estipular um prazo e um valor que deverá ser guardado mensalmente para este objetivo. Caso o financiamento imobiliário seja a solução para seus sonhos, determine o valor e o tempo das parcelas que você pode pagar sem comprometer todos os seus ganhos. 

Lembre-se, ainda, de que, em geral, os financiamentos exigem que você ofereça um valor como entrada. Se você ainda não tem esse dinheiro, estabeleça uma meta de valor a ser poupado e uma data limite para alcançá-lo. É preciso ter disciplina e controle dos seus gastos para guardar o suficiente e assim conquistar seu primeiro apartamento.

É possível fazer a compra do primeiro imóvel com pouco dinheiro?

Se este é o seu maior bloqueio na hora de fazer a compra do primeiro imóvel, saiba que sim, é possível investir em um lugar pra chamar de seu mesmo com pouco dinheiro.

Atualmente existem muitas formas de alcançar grandes conquistas sem precisar ter o valor total do bem em mãos. Para isso, existem formas de financiamentos e até mesmo programas do governo que visam beneficiar pessoas que sonham com a casa própria.

Na Fontanive você pode simular a compra do seu primeiro apartamento de acordo com a sua renda. Basta preencher um formulário e nossa equipe entrará em contato com você o mais breve possível! Confira nossos lançamentos e invista no seu novo lar com parcelas que cabem no seu bolso! 

Quais os tipos de financiamento imobiliário?

Além de saber como planejar sua compra e economizar dinheiro para a realização do seu sonho, é essencial que você conheça os tipos de financiamento imobiliário disponíveis no mercado.

Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

O SFH é um sistema de financiamento elaborado pelo Governo Federal. Com recursos provenientes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) e do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), a iniciativa é regulamentada na Lei 4.380/64, sendo responsável pela maioria dos financiamentos do país. 

O financiamento imobiliário pelo SFH contempla propriedades de até R$ 950 mil para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal e, no restante do Brasil, o valor máximo é de R$ 800 mil. Outro critério é o de que as parcelas não podem custar mais do que 30% do ganho mensal do comprador ou da soma dos demais contratantes, quando é feita composição de renda. O prazo para financiamento é de 420 meses e só é permitida para pessoas físicas, ou seja, empresas não podem realizar o financiamento pelo SFH.

Importante dizer que o SFH foi criado para sanar o problema de déficit habitacional no Brasil e para contribuir para que mais pessoas tenham acesso à moradia própria. Além disso, os financiamentos por SFH estimulam a economia e movimentam o mercado imobiliário. 

Com relação aos juros, o índice máximo permitido para financiamento imobiliário pelo SFH é de 12% ao ano, podendo a chegar a 9%, como aconteceu em 2018. 

Outra característica é que pode ser financiamento até 70% do valor dos imóveis usados. No caso de imóveis novos, o percentual aumenta para 80%. Compradores também têm direito a 50% de desconto no valor do registro do primeiro imóvel, o que também é um estímulo à aquisição. 

Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI)

Também criado pelo Governo Federal, o SFI foi criado para contemplar os critérios que não abrangem o sistema anterior. O objetivo, nesse caso, é estimular o investimento. Por conta disso, o financiamento deve ser feito em imóveis acima do teto permitido no SFH.

Entre os critérios do SFI estão a ausência de exigência de porcentagem de renda comprometida com o valor das parcelas. O prazo para pagamento permanece, permitindo que o pagamento acontece, também, em até 420 meses.

O valor financiado varia, podendo chegar a 90% do valor total do imóvel, uma vez que eles são mais caros e as parcelas, consequentemente, possuem valores maiores. O SFI também permite que a aquisição seja feita por pessoa jurídica. 

Com relação à taxa de juros, ela tem o índice mínimo de 10% ao ano. 

Sistema de Amortização Constante (SAC)

A amortização constante do SAC quer dizer que as parcelas são decrescentes, ou seja, que têm seu valor diminuído ao longo do tempo de financiamento. À medida que a dívida vai sendo paga mês a mês, portanto, acontece uma redução do valor do montante devido. A amortização é fixa e a taxa de juros diminui, contribuindo para que o pagamento seja facilitado. 

Embora as amortizações sejam constantes, elas sofrem correções monetárias, que podem ser pré ou pós-fixadas. 

Nas pré-fixadas, como o nome diz, a instituição bancária estipula um valor para correção na hora do contrato. A taxa de juros é um pouco maior do que no modelo pós-fixado. Esse último acontece por meio de um índice de mercado, como a Taxa Referencial, por exemplo. 

Como esses índices podem ser volúveis, em épocas mais críticas pode acontecer um reajuste maior. É preciso considerar essa característica antes de optar pelo tipo de financiamento imobiliário ideal para você. 

Uma das vantagens desta modalidade é que, como as parcelas diminuem, o comprador fica mais seguro quanto ao futuro e ao pagamento da dívida, uma vez que fica mais fácil poupar e ter o dinheiro disponível. 

Sistema Tabela Price

A Tabela Price também é conhecida como Sistema Francês de Amortização (SFA). Muito utilizada mundo afora, ela teve que ser adaptada às características da economia brasileira. Mesmo assim, por conta da inflação e dos juros altos aplicados no país, muitos não utilizam mais o sistema. 

No sistema francês os juros do financiamento são decrescentes, as amortizações crescentes e as prestações são fixas. Na prática, o que acontece é que as primeiras prestações cobrem somente o pagamento dos juros ao banco. Ao longo do tempo, no entanto, os índices diminuem, já que ele é incidido sobre o saldo devedor (que diminui mês a mês).

Aqui no Brasil, a Tabela Price funciona de forma um pouco diferente. As parcelas do financiamento não são fixas e variam de acordo com o índice de inflação. 

A desvantagem está no fato de que a receita do contratante não é aumentada na mesma proporção da dívida, ou seja, com o tempo, a parcela acaba comprometendo uma fatia cada vez maior da renda do comprador. 

Essa característica dificulta o pagamento, o que faz com que o risco de se perder o imóvel seja maior do que nos outros tipos de financiamento imobiliário. 

Minha Casa Minha Vida

O Minha Casa Minha Vida é uma iniciativa do Governo Federal que beneficia a compra da casa própria. O benefício acontece de várias formas, tudo depende da renda mensal familiar daquele que deseja financiar o imóvel. 

A vantagem pode vir por meio de subsídio, que é um valor oferecido pelo governo para ajudar no pagamento da entrada do imóvel, ou então com taxas de juros menores incididas nas parcelas. Também pode acontecer de o valor do seguro obrigatório ter o valor reduzido. 

O Minha Casa Minha Vida pode ser feito por pessoas que tenham até R$ 9 mil de renda bruta familiar, ou seja, devem ser somados os rendimentos de todos os que fazem parte do núcleo familiar. 

As faixas de renda

Pessoas da Faixa 1 e recebem até R$ 1800 podem receber até 90% do valor do imóvel. Como a faixa refere-se à população mais carente, a parcela não pode ultrapassar os 10% da renda total familiar. 

A Faixa 1,5 contempla famílias com renda mensal de até R$ 2600. Nesses casos, é possível que o financiamento seja feito com taxa de juros a 5%. Para estimular ainda mais, o valor de entrada por receber subsídio de até R$ 47,5 mil. 

Quem recebe até R$ 4 mil pertence à Faixa 2 do programa. Entre os benefícios estão juros de 5% a 7% e subsídio de, no máximo, R$ 29 mil. 

A Faixa 3 é destinada a famílias que têm renda de até R$ 9 mil. Essas pessoas não recebem subsídio, mas têm direito a taxas de juros menores. Também é possível utilizar o FGTS para compor o valor da entrada e diminuir o valor do financiamento. 

Importante lembrar que quem faz parte das Faixas 1,5, 2 e 3 não podem ter o nome nos serviços de proteção ao crédito. Também não é permitido que o titular tenha imóvel em seu nome. 

Conhecer a dinâmica dos parcelamentos é essencial para que você decida pela melhor opção. Isso contribui para um bom planejamento financeiro e ainda ajuda você a realizar os pagamentos sempre em dia.

Agora que você sabe melhor sobre os tipos de financiamento, aproveite para conhecer nossas opções de apartamentos à venda em Curitiba e outras cidades. Temos opções de imóveis prontos para morar e apartamentos na planta.

Passo a passo do financiamento imobiliário

Quem alguma vez sonhou em comprar a casa própria, já ficou imaginando como fazer para planejar a compra e guardar dinheiro para arcar com as parcelas de um financiamento. Se você já está decidido e quer comprar o primeiro apartamento de uma vez por todas, você vai aproveitar esse post que preparamos para você. Adiante você vai conferir o passo a passo financiamento imobiliário, como fazer e o que esperar de cada etapa. 

Assim você consegue ficar seguro e pode se preparar para que a compra da sua casa seja um momento de realização, sem incômodos e sem estresse no pós-compra. Quer saber mais sobre o assunto? Confira!

Passo 1: confira os critérios

O primeiro passo para que você consiga um financiamento é atender a todos os critérios exigidos pelas instituições bancárias. Veja abaixo quais são eles e se você está dentro dos requisitos.

O contratante deverá: 

  • ser brasileiro nato ou naturalizado ou, se estrangeiro, detentor de visto permanente no país;
  • ser maior de dezoito anos ou emancipado;
  • ter capacidade civil, ou seja, não ser menor de 16 anos; 
  • não apresentar enfermidade ou deficiência mental que impeça o discernimento ou que não esteja com capacidade para exprimir a própria vontade, mesmo transitoriamente; 
  • ter nome limpo no mercado;
  • não ter mais do que 80 anos e 6 meses na soma da sua idade ao prazo de amortização;
  • não ser proprietário e não estar em processo de compra de outro imóvel residencial na mesma cidade em que reside, caso queira utilizar recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);
  • ter capacidade de pagamento.

Uma vez com tudo acima regularizado e atestado, você pode partir para o segundo passo.

Passo 2: faça uma simulação de financiamento online

Agora é hora de você realizar uma simulação de financiamento online. Disponível nas páginas das principais instituições financeiras e construtoras, a ferramenta possibilita que você preveja como o parcelamento ficará ao longo dos anos.

Para isso, é necessário que você preencha dados como valor do imóvel, tempo de financiamento e renda bruta mensal. 

Uma dica importante é ver como funciona o financiamento diretamente com a construtora. Elas costumam oferecer vantagens de preço baixo e de pagamento facilitado.

O sistema faz o cálculo completo e mostra tudo o que você precisa para se planejar: valor máximo financiado, valor necessário para entrada e valor das parcelas. Também é possível conferir o CET (Custo Efetivo Total do imóvel) e as taxas e seguros obrigatórios incididos sobre o valor.

A simulação online de financiamento é o modo mais rápido para que você consiga comparar e decidir pela melhor opção, já que você visualiza, de fato, quanto cada instituição cobra em suas taxas.

É importante não negligenciar essa etapa, já que você consegue entender se terá ou não condições de arcar com os pagamentos, evitando problemas de inadimplência e até de despejo no futuro. 

Quando tudo estiver de acordo com a sua realidade, é hora de partir para o próximo passo.

Passo 3: entregue a documentação necessária

Agora é hora de você entregar toda a papelada exigida para o financiamento do seu imóvel. Algumas instituições podem pedir um documento diferente, mas em geral a lista segue conforme abaixo: 

  • proposta de financiamento preenchida e assinada por você;
  • declaração pessoal de saúde;
  • cópia do RG e CPF;
  • cópia do RG e CPF do cônjuge, quando houver; 
  • certidão de casamento, quando houver; .
  • comprovante de renda.

Se você for utilizar o saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) na composição do valor da entrada, também precisará apresentar:

  • autorização para saque de FGTS com firma reconhecida;
  • extrato atualizado do FGTS;
  • comprovante de residência;
  • cópia da CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social);
  • carta do empregador; 
  • declaração do IR (Imposto de Renda).

Passo 4: aguarde a resposta do banco

Agora você precisa segurar a ansiedade e aguardar a resposta do banco. Enquanto isso, se estiver confiante, você pode começar a procurar o imóvel dentro do valor que você achou possível na simulação de financiamento online. 

Faça uma pesquisa online nos classificados de imóveis ou nos portais das construtoras e veja as opções disponíveis dentro da faixa de preço possível. 

Separe aqueles que atendem às suas necessidades, que estejam nos bairros do seu agrado e faça uma visita produtiva a cada um deles.

Não se esqueça de verificar se o imóvel está em situação regular e se não há pendências judiciais sobre ele. Lembre-se de que, como a propriedade é a própria garantia do financiamento, ele deve estar livre e registrado no Cartório do Registro de Imóveis.

Durante esse tempo, você já deve ter recebido a resposta do banco. Se a resposta for positiva, pode comemorar muito! Em casos negativos, converse com o gerente, veja o que você pode fazer para melhorar seu cadastro e tente novamente em 60 dias. Não precisa desanimar.

Passo 5: espere a avaliação do imóvel

Agora é hora de o banco fazer a avaliação do imóvel. Em geral, uma empresa terceirizada realiza o serviço e analisa o valor da construção e seu estado de conservação. 

Também é nessa etapa em que é feita pesquisa a respeito da situação do imóvel, se existem restrições e se ele está apto para sua compra. É uma forma de o banco deixar o comprador mais seguro e saber se o valor financiado condiz com a realidade do imóvel. 

Se tudo estiver certo, é porque falta muito pouco para você pegar as chaves da sua casa própria ou do seu primeiro apartamento. 

Passo 6: assine o contrato e comemore

Com a resposta da instituição financeira, é hora de assinar o contrato. Nessa hora, você deverá pagar a tarifa de avaliação e também a primeira parcela dos seguros obrigatórios. 

Você também precisará recolher o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) na prefeitura da sua cidade e registrar o contrato no Cartório de Registro de Imóveis. Uma via deverá ficar ao banco, não se esqueça.

Nessa hora, o vendedor recebe o valor do financiamento em sua conta corrente e você está livre para planejar sua mudança sem dores de cabeça.

O momento da compra da casa própria é inesquecível, por isso, é muito importante saber como as etapas funcionam para garantir que essas lembranças sejam boas.

Agora que você já descobriu tudo sobre financiamento imobiliário, como se planejar, o que fazer e quais as etapas desse processo, aproveite e entre em contato com a gente para ver as opções imperdíveis que temos de apartamentos prontos para morar.

Quer encontrar o seu apartamento ideal?

Preencha com os seus dados que a gente ajuda você.